jusbrasil.com.br
5 de Abril de 2020
    Adicione tópicos

    Especialistas e ativistas discutem racismo e políticas afirmativas na Semana da Consciência Negra na PGR

    Debate contou com a participação de representantes de órgãos federais e do movimento negro nesta quarta-feira, 21 de novembro, no auditório da PGR

    Ministério Público Federal
    há 7 anos

    O racismo ainda existe no Brasil e os desafios a serem enfrentados para a diminuição dessa desigualdade em direitos continuam a existir. Essa foi a conclusão do debate Política de ações afirmativas: enfrentamento ao racismo e à desigualdade racial na perspectiva da Lei, promovido pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão durante a Semana da Consciência Negra na Procuradoria Geral da República.

    Para muitos dos participantes do debate representantes de órgãos federais e militantes do movimento negro a necessidade da implementação das cotas raciais nas universidades brasileiras é uma prova de que o racismo existe e de que é necessária a criação de políticas públicas para diminuir essa desigualdade racial no país. Temos uma longa jornada a construir para que o Brasil seja um país igual em direitos. Quando colocamos essa discussão em pauta, estamos colocando na centralidade a necessidade de encarar o outro igual em direitos, afirmou a deputada federal Erika Kokay, representante da Frente Parlamentar em Defesa dos Povos Tradicionais de Terreiro.

    Para a vice-procuradora-geral da República, Deborah Duprat, a política de cotas raciais nas universidades brasileiras é uma forma de tirar da invisibilidade a problemática. As cotas têm uma perspectiva não apenas de olhar para o passado, de se apresentar como uma indenização pelos erros cometidos. As cotas têm um olhar para o futuro, para a sociedade que queremos ter, disse a vice-procuradora-geral, que defendeu no Supremo Tribunal Federal a implementação das cotas raciais nas instituições de ensino superior.

    A educação pública é mais uma mostra de que há sim desigualdade racial nas escolas. No sistema público, segundo dados apresentados por Macaé Evaristo, representante do Ministério da Educação, as crianças negras tendem a entrar mais tarde na escola e a abandoná-la mais cedo. Além disso, 45,1% da população negra com idade entre 18 e 29 anos não completou o ensino fundamental e 54% não completou o ensino médio.

    A publicação da Lei nº 10.639/2003, que torna obrigatória a temática "História e Cultura Afrobrasileira" na rede de ensino foi uma das formas de o Estado reduzir a desigualdade racial já nas escolas. Na avaliação de Cristina Trinidad, da Unesco, para que a lei seja efetivamente aplicada é preciso investir na formação dos gestores de políticas públicas, na formação de professores, no monitoramento da institucionalização das diretrizes da lei e na produção de materiais pedagógicos adequados a essa temática.

    Para Mônica Gomes, representante da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), a lei (10.639/2003) requalifica o direito à educação, porque inclui o direito à diferença. O grande desafio da lei é no enfrentamento às práticas e imaginários raciais presentes como o racismo institucional, a ideologia do branqueamento, disse.

    O professor da Universidade de Brasília e ativista do movimento negro Nelson Inocêncio defendeu que é importante discutir o tema. Tudo é um processo e acho que esse processo requer paciência e participação, afirmou.

    Participaram do debate o procurador federal dos Direitos do Cidadão, Aurélio Rios, a vice-procuradora-geral da República, Deborah Duprat, a professora da rede de ensino do DF Camem Batista, a representante da Unesco, Cristina Trinidad, a deputada federal Érika Kokay, a representante do Ministério da Educação Macaé Evaristo, o professor da UnB Nelson Inocêncio, além da representante da Seppir Mônica Gomes.

    Secretaria de Comunicação

    Procuradoria Geral da República

    (61) 3105-6404/6408

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)