jusbrasil.com.br
16 de Agosto de 2022
    Adicione tópicos

    MPF/BA: liminar determina paralisação de obras irregulares na Ilha dos Frades

    Ministério Público Federal
    há 12 anos

    A pedido do Ministério Público Federal na Bahia (MPF/BA), do Ministério Público do Estado da Bahia (MP/BA) e da União, representada pela Advocacia Geral da União (AGU), a 4ª Vara da Justiça Federal determinou, no dia 3 de agosto, a paralisação imediata de todas as intervenções e obras que estejam sendo realizadas na Ilha dos Frades, em região de manguezal, sem a autorizacao da União (Marinha e SPU) e do Ingá, bem como sem o devido licenciamento ambiental perante o Instituto do Meio Ambiente (com as respectivas anuências do Ibama, do Conselho Gestor da APA Baía de Todos os Santos e com a elaboração dos respectivos Estudos Prévios de Impacto Ambiental e Relatórios Técnicos do Impacto Ambiental).

    A liminar deve ser cumprida pela Fundação Baía Viva, pelas construtoras Concic Engenharia S/A, Patrimonial Venture S/A, Realeza Construções e Empreendimentos Ltda, Delta Participações Ltda, Companhia Industrial Pastoril e por Humberto Riella Sobrinho, Gustavo Pedreira de Freitas Sá, André Luiz Duarte Teixeira, Vanildo Pereira dos Santos, Carlos Seabra Suarez, Eliomar Machado de Freitas e Sérgio Lins Lima Braga Filho, sob pena de multa diária de R$ 50 mil em caso de descumprimento.

    A Justiça também determinou que o Município de Salvador, a Superintendência de Meio Ambiente (SMA) e a Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo (Sucom) adotem todas as providências necessárias à paralisação imediata das referidas intervenções e que deixem temporariamente de autorizar quaisquer intervenções e obras na Ilha dos Frades sem os referidos requisitos legais.

    Degradação - A liminar foi requerida na ação civil pública ajuizada, em março deste ano, pelos procuradores da República Wilson Rocha de Almeida Neto e Caroline Rocha Queiroz, pela promotora de Justiça Cristina Seixas Graça, pelo procurador-chefe da União na Bahia Bruno Leonardo G. Godinho e pelo Advogado da União Paulo Soriano, em face dos órgãos ambientais, construtoras e empresários/pessoas físicas por prática de graves danos ambientais e ocupações indevidas de bens públicos na Ilha dos Frades, pertencente ao município de Salvador (BA) e integrante da área de proteção ambiental (Apa) Baía de Todos os Santos. A ação baseou-se em diversos relatórios emitidos pelo IMA, pelo Ibama e pela Gerência Regional do Patrimônio da União (GRPU), que realizaram diversas fiscalizações na área e constataram a ocorrência de graves danos ambientais e ocupações ilícitas de áreas de preservação permanente, de bens de uso comum do povo, de terrenos de marinha e de espelhos d'água (no mar), tudo dentro de uma Unidade de Conservação Estadual (APA Baía de Todos os Santos).

    Dentre as irregularidades apontadas na investigação estão a supressão de vegetação de mata atlântica e de manguezal, deslocamento de terra e aterramento de áreas frágeis de ecossistemas de manguezal, obstrução com barramento na interface (mar x terra) de alvenaria de pedras extraídas ilegalmente dos Municípios de Cachoeira e Santo Amaro e transportadas por saveiros, abertura de estradas, construção de tanques de tamanho considerável (com comportas nas partes de alvenaria) em prejuízo do manguezal e de vegetação de mata atlântica, escavações e cortes de encostas em área de mata atlântica, construção de píeres de atracação sobre área de praia e sobre espelhos d'água, implantação de barragens, galerias subterrâneas e túneis, colocação de cercas de arame farpado sobre manguezal e praia, construção de estruturas (muros) de contenção em alvenaria de pedra (com aterro, pavimentação e guarda-corpo) ao longo de uma porção significativa da orla marítima da Ilha dos Frades (inclusive sobre as praias, em áreas de influência da maré ou já praticamente dentro d'água) com degradação direta e significativa do manguezal da região e da respectiva fauna associada.

    Entre os pedidos da ação civil pública consta a condenação dos réus a reparar/compensar/indenizar os danos materiais (atuais e futuros) causados, a promoverem a remoção, demolição e/ou desfazimento, às suas expensas, das intervenções, acessões e benfeitorias realizadas no patrimônio da União, sem a autorização dos órgãos competentes, e a pagarem indenização por danos morais coletivos em valor a ser arbitrado judicialmente.

    Contra o Município de Salvador, a Sucom e a SMA foi requerida a declaração de nulidade de todos os alvarás e autorizações concedidos aos demais réus e a sua condenação a se absterem de autorizar quaisquer intervenções, obras, ocupações, acessões, benfeitorias e atividades na Ilha dos Frades, sem a devida autorizacao da União (Marinha e SPU), do Ingá, e sem o devido licenciamento ambiental perante o Instituto do Meio Ambiente (IMA) - com as respectivas anuências do IBAMA, do Conselho Gestor da APA Baía de Todos os Santos e com a elaboração dos respectivos Estudos Prévios de Impacto Ambiental e Relatórios Técnicos de Impacto Ambiental.

    Número da ação para consulta processual: 2010.33.00.003213-5.

    Assessoria de Comunicação

    Procuradoria da República na Bahia

    Tel.: (71) 3617-2200

    E-mail: ascom@prba.mpf.gov.br

    Informações relacionadas

    Ministério Público Federal
    Notíciashá 10 anos

    MPF/BA denuncia 13 por crimes ambientais que causaram degradação na Ilha dos Frades

    Julyan Baum Vegini, Advogado
    Modeloshá 5 anos

    [Modelo] Denúncia de crime de roubo

    Ministério Público Federal
    Notíciashá 11 anos

    Decisão determina retirada de cercas na Ilha dos Frades (BA)

    Dr. Clediney Boeira da Silva, Advogado
    Modelosano passado

    Banco BMG é processado por cobrar dívida quitada há mais de 22 anos

    Elder Fogaça, Advogado
    Modeloshá 4 anos

    Modelos de Denúncias do Ministério Público

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)