jusbrasil.com.br
17 de Agosto de 2019
    Adicione tópicos

    Em ação do MPF, STJ confirma acórdão que ordenou demolição parcial dos beach clubes em Jurerê (SC)

    Julgamento manteve decisão do TRF da 4ª Região, que determinou a retirada de acréscimos feitos nos estabelecimentos

    Ministério Público Federal
    há 5 meses

    O Superior Tribunal de Justiça (STJ) confirmou parcialmente acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) que ordenou a demolição dos acréscimos realizados nos beach clubes de Jurerê Internacional, em Florianópolis (SC), depois da assinatura de acordo com o Ministério Público Federal em Santa Catarina em 2005. O julgamento da primeira turma do STJ ocorreu nessa terça-feira (12).

    Além de retirarem as obras de ampliação dos beach clubes, os cinco empreendimentos deverão pagar multas de R$ 20 mil por ano. Já para a Habitasul, o valor da penalidade ao ano será de R$ 4 milhões. O montante deverá ser revertido em favor do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos, conforme defendido pelo MPF na ação.

    O relator no STJ, ministro Sérgio Kukina, rejeitou o pedido de reanálise da perícia que definiu os perímetros originais dos beach clubes. No acórdão, o STJ abriu ainda a possibilidade de as empresas requererem a regularização da área excedente, o que tinha sido vedado pelo TRF4.

    Processo – Em 2016, a Justiça Federal em Santa Catarina determinou a desocupação, a demolição e a retirada dos entulhos das edificações dos bares de praia ocupados de forma ilegal pelos réus Gosunset, T&T Gastronomia, M2T Gastronomia, O Santo e NovoBrasil, situados em área de uso comum do povo na Praia de Jurerê, em Florianópolis.

    Os réus também deveriam recuperar a área de preservação permanente mediante apresentação de Projeto de Recuperação de Área Degradada, a ser aprovado pelo Ibama. Segundo a decisão da época, a manutenção dos beach clubes geraria um precedente perigoso e um estímulo para que outras pessoas ocupassem áreas de preservação permanente.

    Em recurso apresentado ao TRF4 por um dos réus contra a decisão da Justiça em Santa Catarina, a desembargadora federal Vânia Hack de Almeida, relatora do processo, sustentou que a área ocupada pelos beach clubes está localizada sobre dunas e restinga, ambas áreas de preservação permanente, e também sobre terrenos de marinha. Ainda segundo a desembargadora, deveria ser providenciada a desocupação e garantida a recuperação ambiental da área.

    ACP nº 5026468-07.2014.4.04.7200

    Com informações do portal JusCatarina.

    Assessoria de Comunicação Social
    Ministério Público Federal em SC
    Atendimento ao público: (48) 2107-6100 e 2107-2410
    Atendimento à imprensa: (48) 2107-2480, 2107-2466 e 2107-2474
    E-mail: prsc-ascom@mpf.mp.br
    www.mpf.mp.br/sc
    Twitter: @MPF_SC

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)